Home
Sistema Mackenzie
AECEP
Nosso Espaço
Berçário
Maternal
Ed. Infantil
Calendário
Matrículas
Manual da Escola
Informativo
Fale Conosco
   
 



I   “ESPAÇO DO SABER”

“...nasceu do sonho de montar uma escola-família, onde a criança fosse respeitada na sua individualidade, vivendo num ambiente social movido a afetividade, que tivesse espaço físico, materiais e pessoas que a instigasse a um desenvolvimento autônomo.

A Espaço do Saber atende alunos de Berçário à Educação Infantil, a partir dos quatro meses, nos turnos manhã e tarde, em um ambiente afetivo que favorece as descobertas deste período.

Possuímos um espaço físico de aproximadamente 1500m², distribuídos em salas de aula, recreação, recepção, direção, pátio, 3 parques, horta, sala de dança, sala de tv e vídeo, banheiros elaborados para faixa etária, refeitórios e cozinha.

Sendo nosso compromisso a formação de novos cidadãos, contamos com uma equipe de profissionais qualificados e apoio de material didático atualizado. Somos uma escola conveniada ao Sistema Mackenzie de Ensino.

A Educação por Princípios é uma maneira de ensinar e aprender , que coloca a palavra de DEUS no coração de cada matéria e ensina o aluno como pensar e aprender.É um método de eduacação que libera o potencial do indivíduo, forma o caráter cristão , constrói uma erudição baseada numa cosmovisão cristã e habilita líderes servos.

Nossas turmas são divididas em:

  • Berçário I (4 à 9 meses)
  • Berçário II (10 à 16 meses)
  • Berçário III (17 meses à 2 anos)
  • Maternal I (2 anos)
  • Maternal II (3 anos)
  • Jardim I (4 anos)
  • Jardim II (5 anos)
  • Integral I (2 anos)
  • Integral II (3 anos)
  • Integral III (4 anos e 5 anos)



MATERNAL DO TAMANHO EXATO DO COLO QUE SEU FILHO PRECISA

Precisa ter o tamanho exato para nos sustentar no colo (nem mais, nem menos), o olho sempre próximo para acompanhar os anseios, o ouvido alerta para ouvir os  pedidos e o sentido aguçado para “ler”, traduzir e orientar com carinho, entusiasmo, sabedoria, paixão... os desafios dos  primeiros passos, vislumbrando o nascimento do verdadeiro amor por Aprender!!!

Nessa fase as crianças representam personagens, desenham, rasgam, colam, constroem, modelam, fazem experiências, ouvem e inventam histórias. Gostam de ajudar, dentro de suas possibilidades, assumindo pequenas tarefas imediatas como transportar, guardar, buscar. 


Já demonstram maior autonomia o que possibilita que sejam encorajadas a ir ao banheiro sozinhas, organizar seus pertences, etc... Cada Maternal conta com a professora responsável e a auxiliar.

JARDIM I E JARDIM II


Como primeira etapa da educação básica, a educação infantil, tem como finalidade o desenvolvimento das potencialidades da criança, até seis anos de idade, visando seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família.

Estimulamos nossos alunos a experimentar as diferentes formas de linguagem (oral e escrita), a desenvolver o raciocínio e a criatividade, através dos projetos, do material do Mackenzie, jogos, culinária e outros.

O parque é um ambiente muito prazeroso para as crianças. Lá exploram o espaço e os brinquedos livremente usando a imaginação em interação com os colegas. Todos os dias as crianças utilizam esse espaço, no horário determinado no planejamento. 

O QUE ACONTECE NO BERÇÁRIO?

Todo papai e mamãe querem saber o acontece no Berçário.

O cotidiano no Berçário I, II e III da Espaço do Saber e cheio de descobertas, choros e risos.

Existem 4 câmeras em pontos estratégicos, para controle interno, parque , salas de estimulação I, II e III e sala de alimentação.

Para dar conta de tudo e de todos, as educadoras trabalham em esquema de rodízio e contam com um planejamento anual e semanal.

Em cada Berçário tem a educadora responsável, a auxiliar e a higienista que cuida dos banhos, controla as trocas de fraldas e auxilia na alimentação.

Na agenda é anotada a alimentação, trocas de fraldas, soninho, banho e outros fatos importantes, é o elo diário da família e escola, o telefone é outro recurso utilizado para informações.

         CRONOGRAMA DO BERÇÁRIO
7h Entrada - músicas
8h Histórias – atividades de estimulação
9h Suco - higienização
10h Banhos berçário I e II / Parque
11h almoço
12h Hora do descanso / soninho
13h Músicas – atividades de estimulção
14h Lanche – mamadeira - higienização
15h Banhos Berçário III/ Parque
16h jantar
17h histórias
18h Saída

O ritmo diário é estabelecido pela educadora, tendo como fundamento o respeito ao processo fisiológico da criança.
O brincar dentro e fora da sala não é tão diferenciado como ocorre com as crianças maiores.
Uma das diferenças mais importantes desta fase, em relação às crianças maiores, é o fato de praticamente não existirem atividades dirigidas, sendo que o enfoque maior e mais importante a ser dado é a satisfação das necessidades básicas da criança e os cuidados que ela demanda.
A educadora procura tratar cada criança individualmente: trocar fraldas e roupas, dar banho, lavar as mãos das crianças, dar o lanche, assoar o nariz, pôr e tirar sapatos são cuidados básicos mais importantes do que qualquer atividade que se possa executar, pelo contato humano.
Atividades rotineiras devem ser realizadas com calma e a educadora deve estar inteiramente presente e consciente nesses momentos, como em todos os demais. Nos cuidados cotidianos é que a criança tem a possibilidade de perceber o amor e a atenção que lhe são dedicados.

 

É no dia-a-dia, num ambiente preparado para oferecer as melhores oportunidades, que a criança aprende a compartilhar conhecimentos, numa troca saudável que permite descobertas e onde são construídos conceitos para a vida toda. 


II Informações de funcionamento

Horário de funcionamento da Escola Espaço do Saber é:

 De Segunda a Sexta : 7h às 19h para os alunos.

Atendimento aos Pais é de Segunda a Sexta das 8h30 às 11h e das 13h30 às 16h 

 Manhã: 8h às 12h

Tarde: 13h às 17h

Semi-integral: 5h a 8h diárias

Integral: 9h a 12h diárias.


Fazem parte do currículo as seguintes disciplinas:


Oficina Cutural (Mat I ao Jardim II)


Inglês (Mat I ao Jardim II)


Horticultura (Mat I ao Jardim II)


.
As atividades opcionais são para crianças acima de 2 anos:

 Convênio com a Cia Athlética 
 .

UNIFORME

Piccaninny          3923-8783

Maná –                3939-1705



Agenda: R$50,00
Hora adicional (tolerância de 15 minutos na saída): Sistema Child Care.

Todos os alunos receberão lista de material no ato da matrícula.

FÉRIAS
Alunos de meio período terão férias em julho, dezembro e janeiro.

Alunos de berçário, semi-integral e integral terão férias em dezembro (duas semanas) e em Janeiro ( 1 semana).

III  Texto sobre Adaptação

ELE NÃO SE ADAPTA À PRÉ-ESCOLA !

Meu filho tem 2 anos e meio e não se acostuma com a escola.
Se fico na sala dos pais, ele não desgruda de mim e quando
arrisco sair, chora tanto que pedem para eu ir buscá-lo.

 

         Quando uma Criança pequena apresenta uma resistência muito grande à entrada na escola, os pais ficam em dúvida se não é cedo demais para ele encarar um ambiente desconhecido e uma rotina mais rígida. A resposta é NÃO. Na configuração atual das cidades – em convívio  com outras crianças, o tempo livre dos pais e as atividades ao ar livre estão cada dia mais restritos - , a educação infantil se tornou um direito dos pequenos. Entre 2 e 3 anos, seu filho precisa de espaço para brincar com a terra e areia, ouvir histórias, aprender a se expressar de diferentes maneiras e entrar em contato com a diversidade e os desafios de conviver com pessoas fará da família. Estar convencida desses benefícios é o primeiro passo para garantir uma boa adaptação. A criança percebe contradições. Por mais que você diga que a escola é legal, basta um olhar de pena quando ela chora porque não quer ir para acender o alerta; “Se é tão bom, porque essa cara?”

         Em condições ideais, a criança leva de duas a três semanas para se adaptar e, no final das contas, são as atitudes adequadas dos pais que mais influenciam o sucesso da empreitada. Talvez você precise refazer os passos dados até aqui na adaptação de seu filho para descobrir o que pode ser melhorado ou mudado. A seguir, uma lista do que merece a atenção dos pais:

·        Ao conhecer a escola, informe-se sobre o processo de adaptação e as atividades e converse com a criança. É importante nomear o que ela vai encontrar ali, inclusive a professora.

·        Caso a criança pergunte se você ficará junto, explique que no começo, sim, mas que logo ela estará fazendo tantas coisas interessantes que nem sentirá sua falta.

·        Programe-se com o pai para que um dos dois sempre esteja disponível nos primeiros dias da adaptação.

·        Leve um pouco de casa para a escola: o lanche predileto do pequeno, um brinquedo ou um paninho.

·        Não force seu filho a engajar nas atividades nem pergunte toda a hora se você já pode ir.

·        Quando sair da escola, nunca deixe de se despedir do pequeno.

·        Se seu filho a procurar, delicadamente remeta-o de volta à professora ou os amiguinhos. Evite se isolar com ele num canto da sala.

·        Não critique a escola em casa. Se desconfiar de algum problema, marque uma reunião com a coordenadora pedagógica.

·        Estabeleça uma rotina. Nada pior para a criança do que a situação de aluno-turista. Nessa idade, previsivelmente é sinônimo de segurança, requisito fundamental para a boa adaptação na pré-escola e, mais tarde, em todos os campos da vida.

 

Isabel Khan Marin é psicanalista, terapeuta.
Professora de psicologia e supervisora da
 área da infância da PUC – SP.
Este texto foi extraído da Revista Cláudia
fevereiro de 2007. 

Voltar a trabalhar: quem vai cuidar do meu bebê ?

Bom seria se os quatro meses de licença-maternidade fossem suficientes para criar um bebê independente e ainda esgotar os ataques de corujices maternos. Mas, na prática, não é assim que as coisas acontecem: mesmo com índices estratosféricos de prolactina (hormônio produzido durante e após a gravidez) correndo pelo sangue, as mães são obrigadas a voltar ao trabalho.

O retorno, no entanto, tem sabor amargo e, não raro, vem acompanhado de várias dúvidas. Será que meu filho ficará mimado demais se passar a maior parte do tempo com a avó? Posso confiar em uma pessoa desconhecida para cuidar do meu bebê? Entre tantas crianças, meu filho vai receber a devida atenção na creche?

A fim de esclarecer todas estas dúvidas e acabar de vez com os tormentos que aterrorizam pais, o Minha Vida sabatinou a presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp), Maria Irene Maluf. Em cada uma das situações, a especialista aponta os prós e contras, ajudando você a fazer a melhor escolha.

Na casa da vovó
Já crescidinhos, eles adoram passar os finais de semana na casa dos avós. Afetivas, as pessoas mais velhas conquistam espaço pelos mimos, paciência e segurança que oferecem aos pequeninos.
"A melhor opção é que os avós assumam papel de avós. Se passam grande parte do tempo juntos, acabam sendo como os pais da criança", diz a psicopedagoga. "A rotina não permite, por exemplo, que eles sejam tão benevolentes. Vão precisar impor regras para garantir o respeito e a obediência da criança."
Mas é possível dar um jeitinho para os avós que fazem hora extra na função. Deixar claro que a responsabilidade pela educação das crianças é papel dos pais é o primeiro passo, de acordo com Lídia R. Aratangy e Leonardo Posternak, autores do Livro dos avós - Na casa dos avós é sempre domingo? (Editora Artemeios, R$ 37,00) Com isso, são evitadas crises familiares e confusões entre as crianças, que não sabem a quem obedecer.
"Atualmente, com os divórcios e o envolvimento profissional da mulher, os avós podem ter um papel mais importante do que tinham antes. Mas, mesmo que você colabore com uma ajuda financeira ou emocional, respeite os valores da nova família", explicam os autores.
Quando isso acontece, essa opção sem dúvida sai na frente das outras, principalmente quanto ao afeto envolvido na relação. "Minha mãe tem 64 anos e uma disposição incrível para cuidar da Hadassa. Além de ser uma pessoa de plena confiança, ela segue à risca todas as minhas orientações em relação à educação", diz Joquebed Ferreira, adepta da convivência prolongada entre neta e avó.

Prós: O contato freqüente com os avós, aliado ao convívio com os pais, diversificam as formas da criança ver o mundo. Os avós são ainda o melhor referencial de afeto que a criança pode ter.

Contras: O contato diário e, por muitas horas, com os avós pode deixar as crianças confusas se as opiniões dos mais velhos não estiverem alinhadas com o método privilegiado pelos pais.
Dicas: Certifique-se que os avós têm estruturas físicas para cuidar do bebê ou da criança, a fim de não sobrecarregá-los. Apesar de deixar seu filho com os avós dele, procure passar momentos com a criança para que ela aprenda a diferenciar a relação que tem com os pais e com os avós.
Na creche
Instituição voltada especialmente aos pequenos, a creche é vista com bons olhos pela presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia. "É um local repleto de profissionais que estudaram para cuidar de crianças", diz.
Além disso, a criança vivencia a separação dos pais desde cedo e ainda começa a ser preparada para a educação escolar, dois fatores positivos. A exceção fica por conta de creches carentes de bons profissionais, característica facilmente notada com uma visita ao local ou uma pesquisa sobre a instituição.
Prós: O bebê é cuidado por especialistas na área e aprende desde cedo a se desvincular dos pais.
Contras: Se a instituição escolhida não contar com bons profissionais, os cuidados com o bebê podem ser prejudicados.
Dicas: Procure recomendações de creches que ofereçam bons serviços. É importante deixar seu filho em um local que você confie. Caso contrário, é bem capaz que você passe todo o expediente pensando em como ele está sendo tratado, prejudicando.
Na escola
A escola está entre as alternativas mais bem cotadas entre as mães que voltaram ao trabalho um pouco mais tarde, mas ainda numa fase em que os pequenos precisam de muitos cuidados - começando pela socialização das crianças.
Porém, se a opção não for o período integral, os pais ainda vão precisar de outro tipo de ajuda para cuidar do pimpolho, como faz a humorista Cláudia Rodrigues. Mãe da Iza, 4 anos, ela leva a pequena à escola e quem busca é a avó materna, que passa o resto do dia com a menina até Cláudia buscá-la novamente, depois do trabalho.
"Quando a Iza tinha dois meses, eu gravei o longa Xuxa e os Duendes 2 - No Caminho das Fadas. As gravações duraram 15 dias e a minha mãe e o pai da Iza a levavam no set para eu dar de mamar. Depois disso, só voltei a trabalhar quando ela completou sete meses", diz.
Prós: É o melhor ambiente para o aprendizado. Além do contato com outras crianças, seu filho será sempre supervisionado por especialistas em educação.
Contras: Caso a criança não esteja acostumada a conviver com outras pessoas, pode estranhar o ambiente no início. Assim como a creche, se a escola não dispuser de uma equipe com bons profissionais, os cuidados podem ser prejudicados.
Dicas: Procure indicações sobre a instituição de ensino em que você pretende matricular a criança. No início, a permanência por meio período pode facilitar a adaptação.

Com a babá

Dentre todas as opções citadas, a psicopedagoga inclui a contratação de uma babá no final da lista. O motivo é simples: "ao colocar um estranho dentro da sua casa, a escolha precisa ser muito mais criteriosa".
Além de ser uma pessoa que goste muito de criança, a babá precisa saber cuidar do bebê e, no caso das crianças mais velhas, ter pulso firme para impor limites sem ser grosseira ou agressiva. A especialista alerta ainda que algumas profissionais podem ser bastante competentes quanto aos cuidados infantis, mas pecam em outras questões. "Deixar a criança passar a tarde toda em frente à TV ou não dialogar com ela pode ser um desestímulo ao aprendizado", diz.
Apesar de evidenciar os riscos, Irene não é contrária à contratação de uma babá. Prova disso é que ela mesma optou por uma baby sitter na hora de cuidar dos filhos. "Durante anos, pude contar com uma excelente babá. O segredo é ser muito criteriosa na hora de escolher a profissional", aconselha.

Prós: A criança não precisa sair do seu ambiente habitual, convivendo com uma pessoa que poderá acompanhá-la por muito tempo. Se a orientação educacional dos pais for seguido pela profissional, o aprendizado da criança é beneficiado.
Contras: Escolher a babá ideal não é tarefa das mais fáceis. É fundamental certificar-se das qualidades profissionais e pessoais da candidata.
Dicas: A garantia de uma boa contratação está na recomendação. Procure profissionais a partir de indicações de pessoas que já conhecem o serviço.